A Vontade de Deus PDF Imprimir E-mail
Estudos Bíblicos - por Reinhard Bonnke

A verdade básica sobre a vontade de Deus é que Deus nos guia, constantemente, a menos que tenhamos a nossa própria direção. Podemos ver isto através da Escritura. O Salmo 23, por exemplo, mais ou menos toma por certo que Deus vai nos pastorear. "Leva-me às águas tranqüilas...Guia-me pela vereda da justiça por amor do Seu nome." 

 

A Vontade de Deus

Os Cristãos freqüentemente se comportam como se eles estivessem em arreios para Deus guiá-los em cada passo do caminho. Mas a intenção de Deus para nós, é realmente irmos através da vida como se estivéssemos usando tapumes nos olhos, descuidadamente desviando aqui e ali quando Deus pega na rédea? Um cavalo ou uma mula, os Salmos nos contam, "não tem entendimento". Seres humanos são diferentes! Deus nos tem equipado com habilidades intelectuais, as quais nos permitem termos responsabilidades por nossos atos.

A Obediência a Deus não é Cega

Salmo 103:7 nos fala que Deus "Fez conhecidos os seus caminhos a Moisés". De muitas maneiras Moisés não era exceção, e ainda hoje Deus faz conhecidos os seus caminhos a todos aqueles que O amam. Se pudéssemos aqui estender este estudo, eu amaria te mostrar quão estonteante é a declaração de Jesus em João 15. Ele declara que se O obedecemos, não faremos como os servos que não sabem o que está na mente do seu senhor e mestre, mas como amigos em quem Ele confia, companheiro de perto que entende Suas intenções, e aqueles que compartilham dos seus planos. "Guia os mansos no que é reto, e lhes ensina o seu caminho."... O conselho do Senhor é para aqueles que o temem,"(Sl. 25:9-14). Na versão KJV está como "O segredo do Senhor está com aqueles que O temem" – o qual deveríamos expressar hoje como "Deus não tem segredo para com seus seguidores". Desde o principio está claro que não está interessado em brincar de esconde- esconde. "E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço?" Ele perguntou (Gn. 18:17).

Romanos 8:14 diz "Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus." Ou coloque dessa forma, os filhos de Deus são guiados pelo Espírito de Deus. A nova natureza que nos é dada em Cristo e o conselho do Espírito Santo nos inclina naturalmente numa direção religiosa geral. "e os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: 'Este é o caminho, andai nele;' quando vos desviardes para a direita ou para a esquerda."'(Is. 30:21). Isto é, Deus nos vai assegurar de que estamos no caminho certo. 

Algumas pessoas lutam tanto para se sentirem seguras quanto a direção de Deus, até mesmo jejuando e orando esperando por sinais e indícios aqui e ali, em todo lugar. Será que Deus quer mesmo nos colocar debaixo deste tipo de pressão? Se Deus quer que façamos algo, será que Ele vai nos deixar adivinhando sobre o que é? E como depois Ele espera que o façamos? Ou pensamos que Deus se alegra em tornar as coisas difíceis para nós? Eu concordo de que deveríamos sinceramente esperar Nele, todo o tempo, para termos certeza de que Sua vontade está sendo feita, como Cristo nos ensinou. Se vamos seguir e obedecer, precisamos da força que vem da oração. Mas é necessário que isto se pareça como uma pedra sendo empurrada montanha acima? Certamente Deus não tem a intenção de nos manter na escuridão, sem sabermos precisamente o que Ele quer de nós.

Nada sugere na Palavra de Deus que nós temos que arrancar de Deus o que Ele tem em mente para nós. Se Ele não está acessível a nós, dificilmente Ele pode nos acusar de não fazermos o que ele quer. Se eu quisesse que meu filho fizesse alguma coisa, poderia eu me sentar com os lábios cerrados? Ele teria que me implorar para lhe contar ou tentar discernir os meus desejos através de sugestões sutis, observando as coincidências, como que agarrando palhas ao vento, contando com versos Bíblicos, e todo o tempo implorando, "Pai, fala! Eu não vou comer até que me fale o que o senhor quer"? Não, nunca! Nós podemos descansar na certeza de que nosso Pai Celestial não é assim.

Algumas pessoas relutam em começar o seu dia até que tenham recebido clara instrução da parte de Deus.  Mas direção especial é, na verdade, muito rara na Escritura. Ela foi dada a Filipe, Pedro e Paulo como evangelistas colocando a fundação da história da igreja futura. Mas é interessante notar que homens e mulheres na Bíblia não estavam normalmente em oração quando Deus os chamou para um serviço especial. Ele está tão perto quando não estamos orando quanto quando estamos, e quer falar conosco todo o tempo. A Escritura provê muito poucos exemplos de Deus interferindo nos nossos planos com ordens diferentes. Paulo viajou por anos levando o Evangelho por onde ele foi, mas somente em cinco ocasiões Deus o mandou mudar a rota. E em nenhuma daquelas ocasiões Paulo estava buscando direção especial. Algumas pessoas hoje têm mais direção antes do café da manhã, do que Paulo teve em toda sua vida! É claro que devemos orar – ou como poderíamos fazer a Sua vontade? Mas não deveríamos permitir a nós mesmos sermos presos por falsas noções sobre como Deus dá direção. Jesus disse, "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará"(Jô. 8:32).

Deus guia Constantemente

A verdade básica sobre a vontade de Deus é que Deus nos guia, constantemente, a menos que tenhamos a nossa própria direção. Podemos ver isto através da Escritura. O Salmo 23, por exemplo, mais ou menos toma por certo que Deus vai nos pastorear. "Leva-me às águas tranqüilas...Guia-me pela vereda da justiça por amor do Seu nome." 

Deus nos dirige somente quando pedimos? Claro que não! Não foi assim com as pessoas da Bíblia e não é assim agora. Eu sei de um exemplo de direção dada enquanto as pessoas estavam realmente "buscando a Deus". Isto ocorreu em Atos 13:2: "Enquanto eles ministravam perante o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado." Entretanto, mesmo lá eles não estavam jejuando para saber o que Paulo e Barnabé deveriam fazer. Todos eles já sabiam! Deus já os havia chamado.

Naquele dia, contudo, o Senhor vai de encontro ao trabalho deles em Antioquia e eles partem de barco aonde pensaram que era o melhor, sem adicional instrução supernatural. Mais tarde veio o famoso chamado à Macedônia. Paulo e Silas estavam velejando para a Ásia, mas o Senhor os desviou para a Europa. Paulo não estava jejuando definitivamente, quando ele "viu" um homem da Macedônia chamando, "Passa à Macedônia e ajuda-nos." (At. 16:9). Aliás, ele dormiu rapidamente! Não obstante, concluiu que Deus os havia chamado para pregar o Evangelho na Macedônia. A palavra "concluiu" mostra que ele era cuidadoso quanto a visões. Elas não são ordens, mas algo a ser ponderado antes de se concluir sobre seu significado.

As pessoas dizem que estão esperando por direções com as "mentes abertas", mas o que isso geralmente significa é que eles pegam a primeira coisa que os estimula como sendo direção de Deus. "O Senhor me falou", eles dizem. Como eles sabem que foi o Senhor? Sugestões vindas de qualquer lugar entram em uma mente aberta, como a chuva em um tanque.  Impulsos repentinos não são garantia de origem divina. É muito fácil traduzir nossa própria esperança em um chamado celestial. I João 4:1 nos adverte sobre tirar conclusões: "Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus;"

Nós não lutamos com Deus – Deus luta conosco!

Normalmente surgem problemas sobre o que Deus quer, porque nós temos o nosso próprio "querer". Olhe para Jacó, o patriarca. Deus veio e lutou com Jacó, e não Jacó com Deus, até que Jacó submeteu sua própria vontade. Depois disso ele se agarrou em Deus até que recebeu a única coisa realmente vital – a bênção de Deus.

A vontade de Deus é tão importante que Ele não depende das pessoas procurarem por ela. Seria muito arriscado depender do nosso pedido no momento crítico em que Ele quer Sua vontade feita. Mas, por sua graça podemos andar no caminho certo, contanto que o nosso coração esteja correto. Esta é uma experiência Cristã normal – a qual se reduz simplesmente seguindo a Jesus.

Alguns falam em se concentrar até ouvirem a voz de Deus "'mansa, baixa", pensando que o volume é sinal de autenticidade. Será que Deus é sempre delicado e sofisticado? Será que Deus é como um cochicho conspirador, "Só vou dizer isto uma vez!"? Salmo 29:3 nos fala que o Deus da glória "troveja"! Vamos ser honestos. Frequentemente nós sabemos muito bem o que Deus quer; o problema é que não queremos obedecer! Se não tomarmos o caminho certo, Deus nos vai direcionar – a menos, é claro, que sejamos teimosos. As promessas são claras: "Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; aconselhar-te-ei, tendo-te sob a minha vista." (Sl. 32:8); "Guia os mansos no que é reto, e lhes ensina o seu caminho." (Sl 25:9); "Porque este Deus é o nosso Deus para todo o sempre; ele será nosso guia até a morte." (Sl. 48:14).

Temos que admitir que nossos próprios desejos são o que contam. Frequentemente nós oramos esperando que o que queremos, seja o que Deus também quer. Se orarmos muito tempo e o suficiente, finalmente vai parecer que Deus se submeteu aos nossos desejos. Alguns oram pedindo direção até que sintam que a receberam – isto é, a direção que eles queriam. Realmente, Deus pode não ter mudança de direção para eles.

Suponhamos que Deus esteja em silêncio. O que está errado? Normalmente nada! Deus está em silêncio porque Ele não tem nada para dizer. Deus não tagarela 24 horas por dia. Pode ser que Ele esteja feliz com o que estamos fazendo. Ele não emite novos planos diariamente e nos faz disparar para trás e para frente como coelhos. Os exemplos Bíblicos de claras mudanças de direção são, na maioria, instruções para evangelistas como Filipe, Pedro e Paulo, porque o trabalho deles era crucial para o futuro da igreja. Se simplesmente continuarmos e fizermos o que precisa ser feito, Deus vai nos abençoar, nos tomar pelas mãos enquanto vamos e fazer o que parece ser melhor para nós.

É importante vermos um aspecto particular nessa questão - Deus respeita decisões que fazemos com a intenção de glorificá-Lo. Deus fez o homem à Sua própria imagem – com Sua vontade soberana. Falando claramente, Ele nos dá liberdade. Nós não somos fantoches de Deus. Nem tampouco servimos a Deus como escravos, constantemente ansiosos no caso de havermos escorregado em algum lugar. O Senhor nos faz uma surpreendente promessa: "e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei," (Jo. 14:13).

Podemos ver o padrão de Cristo na sua relação com Seus discípulos. Ele não os mandou, sendo senhor absoluto, ditando seu viver diário, o que fazer, onde viver, ou o que comprar. Ele os tratou como adultos emancipados, responsáveis, não mandando que venham e o sigam o seu dono como animais irracionais. A situação deles não é de empregados, e Ele não é seu patrão ou diretor gerente. Que chefe lavaria os pés dos empregados? Seu compromisso fundamental é estar conosco onde formos e abençoar o trabalho de nossas mãos.

Como Jesus não impôs seu senhorio sobre Seus seguidores, líderes Cristãos não tem o direito de exercer a autoridade de Senhorio sobre qualquer um. Aliás, Cristo explicitamente proíbe tal comportamento, dizendo, "porque um só é o vosso Mestre, "(Mt. 23:8).

Hebreus 13:21 mostra que Deus não só faz sua vontade conhecida a nós, mas nos dá o equipamento necessário para fazermos isto; a oração do escritor era: "vos aperfeiçoe em toda boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em nós o que perante ele é agradável." Romanos 12:2 promete "para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Que meta seria melhor do que a que Paulo tinha? "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus.

Que Deus te abençoe com esta verdade Bíblica.

Reinhard Bonnke